sábado, 21 de agosto de 2010

Adeus.

  Vocês está muito errado se acha que me convence com esse seu draminha tosco. Pelo menos, não me convence mais, não mais. Chega a ser ridículo pensar na época que eu acreditava nisso. Quando achava que você realmente estava ofendido.
  Mas agora não. Eu sei que você fez isso pra ver se a Bee está atrás de você e nem disfarça mais. Só que agora, não vale mais a pena, não mais. Na verdade, há muito não tem vale mais a pena e eu continuava ali, correndo atrás de uma coisa que você deveria correr.
  E quer saber? Eu não acredito mais no "eu sinto falta do nosso namoro", uma vez que não me faz mais falta. Confesso que na hora eu tinha ficado superfeliz e que eu estava largando tudo para ter você de novo. Mas depois, quando parei para pensar, eu vi que não era aquilo que eu queria. A verdade é que eu não te quero mais. No máximo, posso tê-lo como meu amigo. E me cansei da sua gayzisse e do jeito que você sempre sabe que eu vou correr atrás de você.
  Quantas vezes eu não troquei horas de sono para te pedir desculpas de uma coisa que você fez e nem percebeu? Quantas vezes eu não achei que eu    precisava     da sua amizade para viver e tenho me dado bem sem ela? É eu sinto falta da nossa amizade gostosa ou do nosso casamento, como costumávamos falar. Mas me sinto tão aliviada sem ela. Sem o peso da culpa ou da idiotice. Me sinto um pouco mais leve.
  Minha Fada, o único que tem que correr atrás de algo aqui é você. Eu já provei quinhentas mil vezes que eu valorizo a sua amizade, que tal você fazer isso agora? Porque qualquer um fala que me adora, que me ama como se eu fosse da família, mas poucos são os que sentem o que falam.
  Agora eu sei o que você realmente é. Alguém que consegue me substituir com a maior facilidade, como se substitui moedas de dez centavos. Espero que você seja feliz com a próxima "cópia" que você arrumar de mim e que você saiba, que grande parte do que eu sempre desprezei foi o que você acabou de me provar agora. Então se você quiser chorar no meu colo por causa disso, chore. Mas não espere que lágrimas pinguem de meus olhos por isso. Porque nada mais me dói do que saber que a pessoa que eu chamava de melhor amigo, vira as costas e me substitui com outra pessoa.

Seja feliz, fica com Deus, se der saudade me liga, Adeus 
Beatriz Hirata  

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Isso é da boca pra fora ou do coração pra dentro?

  Já perceberam que as vezes a gente acha que sente algo e acaba se acostumando tanto com isso que acaba "sentindo"? Eu sei que é confuso, mas acho que é a melhor maneira de se explicar. De certa forma, você se engana de tanto acreditar em algo. Não acontece com as coisas em geral, mas quando nós falamos em sentimentos, tudo pode acontecer. Nunca se sabe.
  Ninguém aqui vai te julgar, mas pense: Quantas vezes você não jurou que dele esqueceu e dois dias depois estava chorando pelo dito cujo de novo? Até eu já fiz isso. Mas acredite, isso normalmente acontece com as melhores pessoas ou com as que mais tem problemas pra detectar os próprios sentimentos. Você acaba se deicando levar por uma emoção momentânea, acreditando que ela é duradoura, que ela é forte. E mesmo que não seja, você não consegue ver isso direito.
  Mas isso realmente acontece normalmente. Mais do que o normal, se me permitem dizer. As pessoas às vezes confundem o conceito que elas tem sobre algo com os própiros sentimentos. É o que eu chamo de "bca pra fora não intencionado". Ou seja, a pessoa diz que sente apenas o que ela acha que sente. Querem um exemplo tosco? Uma pessoa que acha está com fome, mas está somente com vontade de comer algo(para mim isso tem diferença /Gorda).
  Então, tenha paciência comn as pessoas que falam "boca pra fora não intencionado". Tente explicar a diferenca e nunca diga "Que burra, fala o que não sente", porque as pessoas são naturalmente indecisas e você também é às vezes.
  Paciência com elas e com os sentimentos delas. A boca e o coração delas agradecem.
Beatriz Hirata

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

São as escolhas da sua vida que fazem de você o que você é hoje

 Alguém já pensou que quando a gente nasce, a gente é um bebêzinho inocente? O que eu quero dizer é que, quando a gente nasce, nossa mente ainda tá meio em branco. Pra deixar ela bem colorida, a gente tem que ir crescendo e aprendendo as coisas e, principalmente, ir fazendo escolhas. Sejam elas boas ou ruins, a gente tem que tomá-las.
  Mas as vezes, a gente escolhe fazer algo quedá errado depois... E acabamos culpando alguém que não tem nada haver, que muitas vezes apenas te disse o que pensava sobre o assunto, mesmo que você mesmo tenha pedido aquilo. E se você fez exatamente aquilo o que a pessoa disse, a culpa não é dela. É sua, porque você optou por ouvir tudo o que aquela pessoa diria.
  E quando as coisas se dão bem, foi porque a escolha que você fez foi a melhor, tenha sido ela com ou sem influência, com ou sem ajuda. Você realmente deve ter parado e pensado no que fazer, ou talvez agido através do coração, mas seja o que for, deu certo.
  O que eu quero dizer é que não podemos deixar que outras pessoas tomem decisão pela gente, só porque temos medo de dizer o que sentimos. Mas também temos que entender, que as vezes as pessoas mais velhas tem mais entendimento e que devemos ouvi-las e refletir sobre o que elas falam e não tomar tudo como verdade absoluta.
  Não se esqueça que você tem uma voz. Que pode dizer muito bem o que pensa e pode pensar sobre as suas escolhas. Mas quando as consequências acontecerem, não bote a culpa ou a glória em ninguém. Porque afinal a vida é sua e as escolhas também.

Como vai a sua voz hoje?

Beatriz Hirata

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Do you feel lost or incomplete?

  Porque as vezes, você simplesmente se encontra sozinho, num buraco escuro. Você acha que ninguém sabe que você está lá, porque pensa que ninguém observa você. Se sente tão desinteressante e cinza que acha que não tem como alguém ter paciência para entender os seus pequenos gritos de socorro ou os seus momentos sensíveis, nos quais você precisa de alguém que fique do seu lado.
  E por achar que você não é interessante e importante, você acaba se afastando, se fechando e trata mal quem tenta se aproximar. Você quer ficar sozinho e ao mesmo tempo, quer que alguém te abrace. Você quer muito ue alguém resista a tudo on que você fizer para se afastar de tudo e todos. Esse afastamento é uma coisa bem estranha, mas age um pouco como uma proteção pra você. Você provavelmente não quer ouvir "Você não pode ter isso" e não quer saber da realidade, porque ela não é do jeito que você queria.
  Mas é ai que você erra, a cura está nas pessoas. No jeito que cada uma delas te diverte e como elas te confortam, mesmo que inconscientemente, da falta que você sente. Vê que as vezes, o que você precisa é de um abraço e de um bom desabafo ou de uma boa saída pra se divertir. Então sempre que achar que as pessoas estão erradas e você certo, pare e pense, se todo mundo fala a mesma coisa será que eu não posso ao menos refletir sobre?
  Por mais doloroso que seja o momento e a ideia, é o que vai te fazer sentir completo. E o melhor, você não se sentirá perdido. E se sentir, são aqueles momentos que a gente chama de "recaída". Então, sempre tente melhorar, não se acomode nos problemas. Porque uma hora você pode olhar pra trás e ver que perdeu tempo de mais com coisas inúteis.
Do you feel lost or incomplete?

Beatriz Hirata

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Palavras são tão pouco pra me descrever.

  Eu não sou formada de palavras, nunca fui. Não sou de falar e não fazer, de dizer que não disse mesmo que tenha digo. A nossa essência não está exatamente nas palavras que a gente usa. Porque palavras são palavras e podem ser levadas pelo vento, da mesma forma que variam de uma língua pra outra. Elas mudam, elas tem vários significados, vários sentidos e as pessoas sempre mudam elas, para colocarem a própria versão na coisa.
  Por isso, eu sempre falo, são atitudes que me formam, que fazem o meu coração bater. Palavras muito raramente são atitudes, as pessoas conseguem mentir atrávés delas com facilidade, da mesma forma que dizem coisas da boca pra fora. Porque as pessoas se preocupam em te agradar com palavras lindas e esquecem das atitudes que marcam. Vai me dizer que você já esqueceu um abraço apertado que ganhou ou que lembra de todas as palavras que já te falaram? Afinal, são tantas as palavras que a gente ouve, que nós captamos apenas a essência do que elas querem falar e acabamos apagando-as.
  Quer ver como você não é feito de palavras? Abra o seu orkut/twitter/whatever e tente escrever você na parte "Sobre mim". Bom, eu pelo menos nunca consegui. Acabo sempre colocando umas palavrinhas tipo "sou feliz e besta" e na verdade, eu não sou só isso. Sou muito mais do que qualquer palavra pode dizer. Se eu pudesse colocar atitudes lá, talvez seria possível me descrever ali. Mas mesmo assim, acho difícil. Sou uma pessoa, não posso ser descrita. Sou melhor do que as garotas que leem capricho da minha sala.
  No fim de tudo, atitudes existem sem palavras e palavras sem atitudes. Mas as vezes elas podem co-existir, mas é bem raramente. Então, quando você conhecer alguém, não deixe-a de lado por coisas simples, como palavras. Porque você não sabe o que acontece a ela pra ela dize-las. Mas não deixe de observar as atitudes dela, porque elas são praticamente reflexos do que a pessoa é.
Beatriz Hirata