terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Às vezes

  Às vezes acontece de as pessoas te dizerem coisas que parece que tiram o seu coração dentro do peito. Ou não. Pode acontecer de uma pessoa fazer coisas que parece que você vai morrer de tanta dor que aquilo que a pessoa fez causou. Ou não. Você pode deixar que as pessoas façam coisas que te abalem. Ou não. É apenas a sua escolhe. Ninguém pode interferir nela. Ninguém pode entrar dentro de você e saber como você realmente se sente em relação a tudo aquilo. Então, quando cada pessoa te dizer que é idiota sofrer por algo, pergunte a ela o que ela faria se fosse com ela. A verdade é que as pessoas não podem tirar sentimentos de dentro de você. Elas podem substituí-los ou acrescentar sentimentos dentro de você. Da mesma forma que as pessoas podem fazer o seu dia mais cinza ou mais colorido.
  Mas às vezes você tem que abrir a porta para que as pessoas entrem e tentem te fazer pensar de forma diferente. Pensar que tudo vai ficar bem. Que não se deve ter medo de uma certa coisa. Às vezes, você precisa abrir a sua porta para as pessoas entrarem e te darem um simples abraço, que te faz sentir tão bem, como se você pudesse voar. E às vezes você tem que abrir a sua cortina para você ver o dia lá fora e tem que abrir a janela para que novos ares entrem e substituam os velhos.
  E quem sabe, você não descubra que a sua casa tem mais uma porta e que pessoas legais podem entrar por ela? Quem sabe você não descubra que o dia está ótimo para um passeio fora de casa? Quem sabe você não descubra que você pode encontrar uma pessoa que pode realmente mudar o seu dia com simples palavras, que mude a sua visão dela e que mude uma decisão que você já tinha tomado e estava decidido a não mudar?
  Porque não é sempre que uma porta se fecha que você tem que continuar olhando pra ela, esperando ela se abrir. E se você ficar lá esperando, não vai ver as portas se abrindo e se fechando ao seu redor, não vai ver pessoas entrando e saindo. E no final, acabará só. Mas, acima de tudo, se o dia estiver feio e você achar que vai chover, feche a sua janela. Você pode viver com o ar que tem dentro da sua casa por alguns momentos. Mas nunca feche a cortina. E não tenha medo dos trovões-alguns deles podem mudar a sua vida.
  E não ache que a sua casa é ruim. A casa de outras pessoas pode ser muito pior, apenas você que não consegue ver. Qualquer casa pode ser bonita por fora e um horror por dentro. Não tenha medo de juntá-la com a de uma pessoa por alguns instantes. Aquilo realmente vai te fazer bem, mesmo que por um curto período de tempo. Não deixe que demolirem a sua casa. Sua casa é a única coisa que vai sempre te dar força. Nunca jogue fora aquele cômodo que tem as coisas especiais da casa. Algum dia, revirando eles, você vai se lembrar de algo que já tinha esquecido ou vai ter mais vontade de ter o dono daquela casa perto de você.
  Nunca deixe que reformem a sua casa por você. Uma hora, eles podem vir te cobrar e acabar te deixando apenas com uma casa vazia. Quer reformar? Erga as suas mangas, aceite que seus amigos te ajudem(e não façam por você) e batalhe. Batalhe até que a sua última gota de sangue pingue, até que a última gota de suor saia na sua testa, até que o ar pare de entrar em seus pulmões e que o seu coração pare de bater. Só assim, a casa que algum você vai deixar pra trás vai ter valido a pena. Não tenha medo de fazer cômodos novos na sua casa, desde que você saiba como criá-los depois. Nada pior do que um cômodo mal arrumado, sem esperanças ou força de vontade para algum dia ser arrumado.
  Mas, acima de tudo, viva na sua casa e não tenha medo do que as pessoas vão dizer dela. A pessoa que realmente sabe o que acontece nela(e que sofrerá as devidas consequências) será você. E se a sua casa parecer meio cinzenta, sombria, pinte-a! Chame os seus amigos para ajudar, depois você pode servir uma limonada geladinha pra eles e alguns pães-de-queijo. E não deixe que a sua casa não tenha valido nada, pelo tempo que você viveu nela.
Beatriz Hirata